Seminario Foto Antiga

Quem está em linha

Temos 27 visitantes em linha

UASP União dos Antigos Alunos dos Seminários Portugueses

CONVOCATÓRIA

ASSUNTO: Assembleia Geral, 21 de Novembro de 2015

CONVOCATÓRIA

 

Manuel Domingos Cunha da Silva, Presidente da Assembleia Geral da UASDP,dando cumprimento ao Artº 10º, nº 2, alínea b) dos Estatutos, vem, por este meio, CONVOCAR as associações filiadas para a Assembleia Geral de Outono que terá lugar no dia 21 de Novembro de 2015 (Sábado), pelas 14:30 horas, no Seminário Nossa Senhora da Conceição 1 , com a seguinte ordem de trabalhos:

1. Saudação.

 2. Verificação de presenças.

 3. Leitura e aprovação da acta da Assembleia Geral da Primavera.

4. Plano de ATIVIDADES PARA 2016: apresentação, discussão e votação.

5. ORÇAMENTO PARA 2016: apresentação, discussão e votação.

6. Ponto da situação do projeto “POR MARES DANTES NAVEGADOS – 2ª Etapa”.

7. Outros assuntos de interesse geral.

De acordo com o nº 4 do Artº 10º dos Estatutos, solicita-se que nos confirmem pela mesma via a receção da presente notificação. O Seminário disponibiliza-se para servir o almoço (15€ por pessoa ), bastando para tal que nos informem, se possível, via e-mail, o número de pessoas (esposas, amigos,…) que desejam tomar esta refeição, até ao dia 16 DE NOVEMBRO DE 2015, 2ª FEIRA.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Manuel Domingos C Silva

AAASB

 Nota:  Relembramos que, nos termos do Artº 24 dos Estatutos da UASP, é permitida a presença nas suas Assembleias Gerais, “com o estatuto de Observador, de associações que não estejam inscritas na UASP, bem como de antigos alunos dos Seminários Portugueses não constituídos em associações, ou que pertençam a associações não filiadas na UASP

PAINEL E ASSEMBLEIA GERAL DE OUTONO 21 de novembro 2015 BRAGA

P R O G R A M A

 10H00 – Acolhimento e procedimentos administrativos.

10H30 – Abertura do painel “A arte, instrumento estruturante ao serviço da Nova Evangelização”, por Sua Ex.cia Rev.ma o Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga.

 10H45 – Painel na “Capela (renovada) de Nossa Senhora da Conceição do Seminário Menor: “A música como elemento congregador da Comunidade dos crentes” - Visão pós conciliar e novas correntes a cargo do antigo aluno do Seminário de Braga, organista e maestro Costa Gomes. Intervenção inclui concerto de Órgão de tubos.

11H15 – INTERVALO para café. Inauguração da exposição de pinturas e esculturas de antigos alunos dos Seminários de Portugal no átrio do Auditório Vita do Seminário.

11H35 – “A pintura ao serviço da liturgia” – É necessário desemparedar a santidade encarnando-a na vida e dia a dia das pessoas – Intervenção do Dr. Salgado Almeida, licenciado em artes plásticas e professor do ensino superior (antigo aluno do Seminário de Braga) e da equipa técnica de acompanhamento e decoração da nova Capela(renovada) do Seminário de Nossa Senhora da Conceição - Pintora sueca e escultor norueguês.

12H20 – “A Arquitetura, elemento fundamental para o acolhimento e construção duma comunidade interativa dos crentes e sinal de esperança para todos e partilha da Palavra”. Intervenção a cargo do Cónego Joaquim Félix membro da equipa técnica diocesana de arte e cultura e da equipa de arquiteto e engenheiro responsáveis pelas obras de remodelação da antiga Capela do Seminário. Apresentação do projeto: linhas de orientação e fundamentação litúrgico-pastorais, materiais, espaços, centralidade do projeto no mistério da Imaculada, recursos comunitários.

13H00 – ALMOÇO CONVÍVIO na refeitório reconstruido do Seminário e disponibilizado pela Cooperativa João Paulo II.

 14H00 INTERVALO para Café no átrio do Auditório Vita.

14H30 – ASSEMBLEIA GERAL DA UASP numa das salas contíguas ao Auditório.

16H30 – CONCERTO DE ENCERRAMENTO por quinteto de cordas e piano sobre a obra do Pe. Joaquim dos Santos, antigo aluno dos Seminários de Braga, sob tese de doutoramento na Universidade de Évora. Na capela do Seminário, aberto a todos os secretariados, movimentos e obras e comunidade em geral

17H30 - ENCERRAMENTO Manuel Domingos C Silva Presidente A. Geral UASP

D. Gilberto (Délio Gonçalves Canavarro dos) Reis , natural de Barbadães de Baixo (Vreia de Borne

D. Gilberto Canavarro

s)-  Vila Pouca de Aguiar, bispo de Setúbal, renunciou ao cargo na semana passada, por ter atingido o limite de idade previsto nas leis da Igreja Católica, ficando, agora, a aguardar o desfecho favorável, assinado pelo Papa Frencisco.

D. Gilberto Reis, estudou no Seminário de Vila Real, onde entrou no ano lectivo de 1951-1952, companheiro de Bruno Dinis Teixeira (prof.), Domingos Dias Gomes (médico), Carvalho de Moura, José Augusto Vieira
, José Luís Borges Coelho , João Viamonte (prof.), Joaquim de Barros Ferreira (prof.), Manuel Vicente Morais (padre), entre muitos outros. Foi ordenado presbítero a 21 de setembro de 1963 na Sé de Vila Real.

Montalegre  2015  I Diz-se que o "caminho faz-se caminhando". E quão belos caminhos, a UASP (União das Associações dos Antigos Alunos dos Seminários Portugueses) tem trilhado! Quer em qualidade de percursos, quer no conjunto da qualidade e quantidade de antigos alunos que a seguem e, comprovou-se, são cada vez mais.
Desta feita continuando o cumprimento da calendarização oportunamente definida deambulou, no passado fim-de-semana, por Terras do Barroso, conduzida e acarinhada por uma equipa muito à frente de algumas organizações turísticas.
Por isso aqui deixamos um profundo agradecimento à Associação dos Antigos Alunos do Seminário de Vila Real e, em particular, ao Dr. José Branco e restante equipa, mas também a todos quantos nos proporcionaram mais conhecimento nas várias vertentes que foram abordadas.
As terras que D. João I ofereceu, na sequência da Guerra da Independência, ao Condestável Nuno Álvares Pereira, hoje S. Nuno, padroeiro do Seminário Carmelita, que também esteve representada no evento e onde, diz a lenda, ali treinou muitos dos guerreiros que integraram a Ala dos Namorados na Batalha de Aljubarrota, viram-nos inicialmente admirar a paisagem circundante do castelo onde decorreu a concentração dos participantes, cerca de sessenta antigos alunos representando nove instituições, das quais três de ordens religiosas (Carmelitas, Franciscanos e Capuchinhos) e seis diocesanas (Braga, Évora, Lamego, Leiria, Vila Real e Nova Lisboa).
Passamos de seguida por dois espaços Ecomuseus, ainda que, pelo meio se tenha dado uma vista de olhos pelas belezas naturais locais, como o Parque do Rio Cávado e as margens do Rio Rabagão:
– O primeiro, o "Espaço Padre Fontes", serviu de porta de entrada na identidade da região, pois valoriza a população e o património, sem descurar a preservação dos conhecimentos técnicos, saberes locais e formação de valores. Tivemos a honra de algumas explicações pelo próprio Padre Fontes que muito agradecemos.
– O segundo, o "Ecomuseu do Barroso", instalado numa antiga casa senhorial, que pertenceu a um Capitão da aldeia, divulga algumas das atividades tradicionais mais emblemáticas da região. Abordam-se ali vários temas: a raça bovina barrosã, que é autóctone, as alfaias agrícolas manuais e de tração animal, o ciclo do pão, a cozinha de Barroso, o ciclo da lã e do linho, as minas de volfrâmio da Borralha e D. Nuno Álvares Pereira, Senhor das terras de Barroso.
Saboreamos aSEGUIR uma já merecida refeição típica da região, seguindo depois para as profundezas da terra a cerca de quatrocentos metros do nível do solo, onde reaprendemos o que é produzir eletricidade e os custos associados à construção e manutenção. Descemos mais um pouco e após um percurso bem acidentado admiramos a conhecida Ponte da Misarela que tem associadas várias lendas e mortes, estas bem reais! Que o digam as tropas do general Soult aquando das invasões francesas que por ali pereceram em bem urdida trama defensiva que nos dispensamos de descrever.
Regressamos a Montalegre para jantar e assistir um sarau cultural atravessando deslumbrantes paisagens e fazendo uma pausa de recolhimento e agradecimento a Quem de direito na Igreja Românica de S. Vicente da Chã.
Após um merecido repouso, antes das dez da manhã de domingo rumávamos já, entre belas paisagens, para a "Aldeia Barrosã" de Paredes do Rio, onde fomos recebidos por um jovem e eloquente guia. Aqui encontramos raras e recuperadas antiguidades como canastros (espigueiros), moinhos, pisão para fabrico do burel, tecido utilizado no fabrico de agasalhos de vários tipos.
Ainda antes de um opíparo almoço constituído, na sua essência, pelo "Cozido Barrosão" em típico restaurante da região, afinamos travões e descemos até ao Convento de Santa Maria das Júnias, Monumento Nacional, antigo eremitério-pré românico, situado num vale estreito, de difícil acesso, inscrito num grandioso fundo paisagístico, ali fundado no século IX para isolamento de frades com alguns problemas de ordem disciplinar. Respeitou-se ali inicialmente a regra de S. Bento, tendo passado depois a by The weDownload Manager" href="#21719260"> seguiralt a regra da Ordem de Cister.
O roteiro terminou para a maioria após o almoço que, por razões pessoais e de vencimento de distâncias consideráveis, não puderam aceder ao convite final da organização que levou os mais resistentes ao Alto da Serra do Larouco, a terceira mais elevada de Portugal Continental (1535 m) de onde se vislumbram paisagens únicas, algumas viradas para a Galiza.
Valeu a pena e, se Deus quiser, em 2016, estaremos em Vila Nova de Paiva!
Américo Lino Vinhais
Gabinete de Comunicação

"Barroso Celeiro Velho324

Aldeias pardas antigas

Do meu raiano concelho

São essas águas espelho

Do rosto das raparigas"

Dias 20 e 21/06. a UASP chefiada pelo Reverendo P. Armindo Janeiro ,mudou-se para Montalegre de armas e bagagens, com a finalidade de mais um convívio cultural.Este convívio, organizado pala AAASVR de Vila Real sob a batuta do seu Presidente Dr. José Branco teve a presença de 57 elementos.Foi um passeio circundante das águas das barragens, portanto embrenhados numa paisagem soberba.Recebidos á sombra do Castelo, fomos ouvir cultura no Eco Museu de Montalegre, Museu esse que tem mais 3 Polos-Tourém, Salto E Pitões das Junas.

Quem, se não o Padre Lourenço Fontes ,para nos receber e transmitir todos os conhecimentos adquiridos ,com muita observação, estudo e experiências das realidades. locais.

Juntamos a isto tudo ,uma visita guiada pelo Dr. Branco, passando por Salto, Venda Nova (onde visitámos as entranhas da Barragem) e Ponte da Misarela, terminando a tarde na Igreja românica de S. Vicente da Chã onde o SR. Padre Branco Alves nos recebeu com toda a lhaneza que é seu apanágio e celebrou a Eucaristia, tendo nos transmitido e dedicado palavras sábias e amigas.

No dia 21/06 visitámos  Paredes do Rio onde a realidade é mesmo realidade, onde tivemos hipótese de conhecer os Moinhos, um Pisão, o Forno do Povo, uma Cozinha tradicional e grande variedade de artesanato. Seguimos para Pitões onde aproveitamos para visitar e conhecer o antigo convento de Cister.

Todo este roteiro também foi gastronómico e neste campo Montalegre pede meças e nós confirmámos, desde a Posta até ao célebre Cozido.

No Domingo regressámos a nossas casas, deixando o nosso coração cheio de gratidão, quer com as gentes de Montalegre, mas também com a região.

È para repetir, votaremos porque foi lindo este encontro de elementos que tem pontos comuns na vida, criados nos nossos centros de estudo e vivência: Os Seminários

Aquele abraço e até sempre

Antonio Vale