Seminario Foto Antiga

João Gonçalves da Costa, nasceu na freguesia de Donões, do Concelho de Montalegre, em 30 de Setembro do ano de 1917 e era o mais velho de cinco irmãos
Em Outubro de 1933 entrou no Seminário de Vila Real.
Concluiu o o curso de Teologia em Junho de 1943 , sendo ordenado presbítero em 1.8.1943, celebrando a Missa Nova na sua aldeia natal em 7 de Agosto desse ano.
Foi coadjutor de S. Vicente da Chã até Junho de 1944, ano em que foi nomeado pároco de Tourém e Pitões, até Março de 1947.
Em Tourém desenvolveu a sua actividade missionária fazendo voltar á Igreja Católica mais de 200 fiéis que haviam aderido ao protestantismo durante a guerra civil de Espanha, por influencia de um militar britânico.
A partir de 1946 como o curso dos Seminários passou a ser de doze anos foi chamado ao Seminário para professor e prefeito do Seminário.
Ensinou Português, Latim, Matemática e Questões Complementares de Ciência e Ciências Naturais.
Entre 1953 e 1967 exerceu as funções de ecónomo.
De 1962 a 1966 foi também capelão militar no Regimento. Infantaria.13, de Vila Real, aí construindo e a primeira capela dessa Unidade Militar.
Simultaneamente (e durante 20 anos) foi capelão do lugar da Veiga, freguesia da Cumeeira, concelho de Santa Marta de Penaguião onde reconstruiu a velha Capela de N.a Sra. da Conceição
Bastante viajado aproveitou para se actualizar em cursos, encontros, colóquios, e congressos.
Por volta de 1970, o Bispo de Vila Real convidou o a fazer uma nova freguesia, com os quatro bairros mais pobres da cidade de Vila Real.
Assim nasceu a Paróquia de N.a Sr.a da Conceição que em 30 anos se transformou na maior freguesia da cidade e a que ficou indelevelmente ligado pela construção da monumental Igreja de Nossa Senhora da Conceição.
Construiu uma Igreja, ampla e moderna, com 40 metros de comprimento por 40 de largo e igual medida em altura. com capacidade para três mil pessoas e um salão com capacidade para duas mil e diversas outras instalações para fins diversas da actividade pastoral.
Foi colaborador dos jornais: Novidades, A Voz de Trás os Montes,Ordem Nova, Infantaria do Marão, Ecos do Marão e Diário do Minho, O Povo de Barroso e escreveu Montalegre e Terras de Barroso", uma monografia editada pela Câmara Municipal de Montalegre em 1968 e reeditada (2.ª edição) em 1984
A Santa Sé atribuiu-lhe o honroso título de Monsenhor, cargo com que o Santo Padre distingue os melhores servidores da Igreja que não são elevados à dignidade do bispado.
Por sua vez, a Câmara Municipal de Vila Real muito justamente reconheceu o seu trabalho em prol da cidade e galardoou-o, em cerimónia pública, com a Medalha de Ouro da cidade.
Homem austero, de poucos sorrisos, mas de riso largo e aberto quando o caso dava para a brincadeira, exigente, trabalhador incansável
Pelo exemplo, pela dedicação, pela fé, pela sabedoria, pela humildade, pela forma extraordinária como soube desempenhar o sublime cargo de ministro do Senhor, por tudo aquilo que jamais esquecerão os que com ele de perto privaram é um das mais ilustres e prestigiadas pessoas da GENTE DA NOSSA CASA