Seminario Foto Antiga


Nasceu em Vale de Espinho, freguesia de Argeriz, concelho de Valpaços, em 20-12-1942, embora no Bilhete de Identidade conste 28-12-1942 como data do seu nascimento. Considera-se também de Midões, onde fixou residência a partir dos 5 anos e frequentou a Escola Primária. Aluno do Seminário de Vila Real entre 1953 e 1965, ano em que concluiu o Curso de Teologia, licenciou-se em Filosofia e Letras na Universidade Pontifícia de Salamanca (1967) e em Ciências Sociais e Política Ultramarina (1971) no Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina da Universidade Técnica de Lisboa. Uma vez iniciados os estudos universitários, em meados de 1960, continuou a passar as férias do Natal e Páscoa na aldeia de Midões com os familiares e amigos, mas nas férias de Verão foi até à Alemanha, para conhecer a Europa, observando a realidade da emigração, convivendo e confraternizando com os jovens estudantes europeus. Em 1967 fixa residência em Lisboa onde passa a ter a sua vivência profissional e familiar: Psicólogo Militar no Centro de Estudos Psicotécnicos do Exército em Caxias (1969-1971); Professor do Ensino Liceal e Técnico (Filosofia, História, Introdução à Política, Ciência Política, Português e Latim) em estabelecimentos de Ensino Público e Particular na Área Metropolitana de Lisboa entre 1967-1976: Casa Pia, Escola Fonseca Benevides e alguns Colégios do Ensino Particular; Técnico-Psicólogo na Federação das Caixas de Previdência e Abono de Família (1972-1976); Técnico Superior/Psicólogo na Radiotelevisão Portuguesa desde 1977 até 2005, onde contribuiu para o recrutamento, selecção e formação de trabalhadores e dirigentes televisivos alguns dos quais trabalharam e ainda trabalham na Comunicação Social. Colaborou também como Psicólogo no CEGOC, ÁREA-CHAVE, EGOR-Portugal, CITEFORMA e outras empresas. Outras Actividades: Foi Presidente da Academia Missionária do Seminário de Vila Real (1964/65), sócio-fundador e Presidente do Centro Lusíada de Salamanca (1965-67) e dirigente do Sindicato Nacional de Psicólogos; fez parte dos Órgãos Sociais da Casa do Pessoal da Federação das Caixas de Previdência e Abono de Família, da Casa do Pessoal e da CoopTV da Radiotelevisão Portuguesa, da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa (membro da Direcção no biénio 1995-1996, Presidente da Mesa da Assembleia Geral no mandato de 1999-2001, sendo actualmente Conselheiro Regional pelo concelho de Valpaços) e da Associação dos Antigos Alunos do Seminário de Vila Real. Foi responsável pela página principal do jornal da CTMAD (Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro), aquando do seu aparecimento em 1995. Participou regularmente em Semanas Missionárias, Seminários, Congressos, Simpósios, Encontros e Conferências com intervenções de carácter psicossociológico, cultural e político, ligadas aos recursos humanos e actividades afins. Assim, em Abril de 1974 apresentou no XXXI Congresso Luso-Espanhol Para el Progresso de las Ciencias uma comunicação intitulada: Estrutura Social e Agrária do Nordeste Transmontano ao longo das últimas décadas (1950-1970). No I Congresso de Psicologia (Lisboa, 1978) abordou: Juventude e Emprego - contributo do Psicólogo para um melhor enquadramento profissional dos Jovens. No Encontro Luso-Espanhol/II Encontro Nacional de Psicologia Militar (Oeiras, 1991), apresentou o tema: Criatividade e Formação - a descoberta de Formandos Criativos. Há muito que vem colaborando em jornais e revistas, dicionários enciclopédicos e outros meios de comunicação social. Como exemplo, podemos citar a Enciclopédia do EDICLUBE e os trabalhos publicados sobre temas regionais transmontanos dispersos pela Voz de Trás-os-Montes e Alto Douro, Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro, Negócios de Valpaços, Mensageiro de Bragança, Semanário Transmontano, UNEARTA e outros, destacando-se o empenho que dedicou à preparação do Terceiro Congresso de Trás-os-Montes e Alto Douro, que teve lugar em Bragança em Setembro de 2002 e os escritos que vai elaborando inspirado na sua terra. Actualmente, com a sua mulher Maria Izilda Fonseca Bento Fontoura Moutinho, com quem casou em 1971, é sócio-gerente de GITIC - Tradução, Interpretação e Congressos, Lda, Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar traduzindo, revendo e editando textos e livros, como o À PROCURA DE ALGO por Terras de Angola, Vale de Espinho, Midões e Valpaços - monografia telúrica e autobiográfica como lhe chamou o Dr Barroso da Fonte - que escreveu em co-autoria com a sua amiga de infância Maria de Fátima Morais Figueiras (Valpaços e Lisboa, 2007). Já na situação de reformado, gosta de ajudar os mais humildes, viajar e cultivar os seus talentos, passando o tempo entre Lisboa e Trás-os-Montes, junto da família, dos amigos e dos conterrâneos, para reviver o passado e contribuir para a revitalização das aldeias, vilas e cidades transmontanas. Tem duas filhas: Mafalda Sofia Bento Moutinho - licenciada em Relações Internacionais (ISCSP) e Master of Artes Degree in Internacional Relations and European Studies - faz parte do elenco de jovens escritores das Editoras Dom Quixote e LeYa, onde publicou já O Segredo do Mapa Egípcio, O Mistério das Catacumbas Romanas, O Enigma do Castelo Templário, O Caso do Último Dinossauro, O Segredo de Craven Street, O Tesouro do Veleiro Espanhol, O Oráculo do Velho Mandarim e mantém activo e dinâmico o site www.osprimos.com; e Alexandra Bento Moutinho, engenheira mecânica e professora-doutora no Instituto Superior Técnico em Lisboa onde continua a sua actividade docente, investiga e estuda alternativas para a Navegação de um Veículo Autónomo Exterior, dando assim continuidade à tese de doutoramento que defendeu em 2007. Enquanto estudante em Vila Real, os tempos de férias (Natal, Páscoa e Verão) eram passados em Midões onde ajudava a família nas actividades agrícolas e confraternizava com os conterrâneos, familiares e amigos nas diversões e passatempos da época. Agora, nos seus tempos livres, aproveita sempre que pode as excursões organizadas pela CTMAD, Casa do Pessoal da RTP e Associação Portuguesa de Horticultura, de que é sócio. Juntamente com os seus professores e colegas do Instituto Superior de Agronomia, onde está inscrito como aluno extraordinário, participa nas actividades académicas, cursos, aulas, conferências e visitas de estudo ligadas essencialmente à viticultura, olivicultura e fruticultura. Mas a maior parte do tempo dedica-o à família, já aumentada com o nascimento da sua netinha Inês e cuida, à distância, das videiras, oliveiras e outras árvores de fruto que plantou na sua terra natal, e aonde vai sempre que pode, para visitar familiares e amigos, matar saudades, apanhar frutos e recolher elementos sobre as nossas tradições, usos e costumes que depois vai divulgando através de artigos e livros onde ele e outros escrevem e desenvolvem temáticas transmontanas.