Seminario Foto Antiga


Nasceu em 8 de Dezembro de 1941 na freguesia de Loureiro, concelho de Peso da Rgua.
Aps o Ensino Primrio, ingressou no Seminrio de Vila Real, onde cursou Humanidades e Filosofia
Licenciou-se em Filologia Romnica pela Faculdade de Letras de Coimbra, em 1969 e, durante o curso, frequentou, ao mesmo tempo, como elemento da Tuna Acadmica e do Conjunto de Cmara Carlos Seixas, o Conservatrio de Msica de Coimbra, na especialidade de Violino no seguimento de uma propenso para a msica que j evidenciara no Seminrio
A sua tese de licenciatura versou a Obra de um poeta da Presena: Afonso Duarte.
Concludo o Curso de Cincias Pedaggicas, tambm na Faculdade de Letras da U.C., seguiu o Ensino Secundrio, com Estgio e Exame de Estado (1972), trabalhando em algumas escolas secundrias, entre as quais: Colgio de Porto de Ms, Liceu de Vila Real, Liceu da Amadora, Liceu de Queluz (efectivo desde Abril de 1973).
De 1973 a 1976 fez o bacharelato em Direito na Universidade de Coimbra
Em complemento da actividade pedaggica tem elaborado e editado diversos trabalhos, nomeadamente:
Os Lusadas corno revelar aos jovens de hoje os valores contidos no poema (1972);
France Centres d'Intrt (Didctica Editora 1974);
criao, na Amadora, do Centro de Estudos e Livros Didcticos (1976);
Iniciao Musical I e ll (1977);
Canes para todas as Escolas (Bsica Editora 1978);
Estudo e Antologia da Manh Submersa, de Verglio Ferreira (1979);
Antologia Fernando Pessoa (1980);
PGA Passaporte (1992);
Provas Modelo de Literatura Portuguesa 12. Ano (2 vols. 1996).
Na rea musical comps obras para tunas, marchas para localidades.
Como violinista da Tuna Acadmica de Coimbra e Orquestra de Tangos e bandolocelista do Conjunto de Cmara Carlos Seixas, efectuou viagens a todos os Continentes, destacando se o convite para actuar na EXPO'70, de Osaka (Japo), que assinala o prestgio obtido com o 1. Prmio conquistado pelo C. C. Carlos Seixas em Neerpelt (Blgica) entre conjuntos similares de vrios pases.
Tem registadas, na SPA, centena e meia de canes, entre as quais msicas para a infncia e para a Mensagem de Fernando Pessoa.
Alguns conjuntos tm gravado canes suas, nomeadamente o Regional Duriense e, recentemente, os Rabelos do Douro.
Tem pronto para publicao um estudo pedaggico e antolgico sobre os contos de J. de Arajo Correia, sendo o primeiro volume O Homem do Douro nos contos de J. de Arajo Correia, cuja contracapa insere um texto de Edite Estrela.
Outra obra, autobiogrfica, em preparao avanada, denomina se: Eu, Professor, Me Confesso.
Tem sido colaborador de diversos jornais:
Msica & Som (1976 1979),
com funes directivas na Tribuna de Queluz (no Jornal da Amadora),
Jornal de Queluz e,
Jornal Amadora Sintra, que fundou em 1991 e de que foi proprietrio e director.
Desenvolve uma actividade scio profissional intensa,:
Dirigente do SNPL (Sindicato Nacional dos Professores Licenciados);
Dirigente da recm fundada COPAAEC (Confederao Portuguesa dos Antigos Alunos do Ensino Catlico), filiada na OMAAEC (Organizao Mundial do mesmo Ensino)
; presidente do Conselho Fiscal da AAASVR (Associao dos Antigos Alunos do Seminrio de Vila Real);
presidente do Ncleo da Cruz Vermelha de Algueiro Mem Martins;
membro da SPA (Sociedade Portuguesa de Autores);
scio da AAECL (Associao dos Antigos Estudantes de Coimbra em Lisboa);
scio da ASSP (Associao de Solidariedade Social dos Professores);
scio da ANPES (Associao Nacional dos Professores do Ensino Secundrio);
scio da AATAUC (Associao dos Antigos Tunos da Universidade de Coimbra);
ex presidente do CBESQ (Centro de Bem Estar Social de Queluz);
ex elemento do Grupo de Cantares da Casa de Trs-os-Montes em Lisboa.