Seminario Foto Antiga

alt

Monsenhor Ângelo Minhava foi a personalidade que dominou o Encontro Saber Trás-os-Montes deste ano, subordinado ao tema O Cancioneiro Popular Trasmontano e Alto Duriense, que se realizou no último sábado, dia 6, nas instalações da Biblioteca Municipal. O elogio de Mons. Ângelo Minhava foi feito por Mons. Salvador Parente que sublinhou as facetas do homenageado, em especial o seu perc

urso multicultural. A sua obra, tão vasta, abrange a Literatura – prosa , poesia, dramaturgia (comédias várias), crítica literária e ensaio -, a Linguística, a História , a Música, a recolha de poesia e música (cancioneiros), etc. A sua produção é imensa, alguma dela já publicada e outra que poderá vir a ser publicada, assim haja organismos que se «cheguem à frente» em apoios que possam revelar esta obra maior, única, sem paralelo na cultura vila-realense e distrital (pelo menos), já que parece não haver recanto – que se estende à Galiza - que não tenha recebido dele um «pedaço» do seu talento, sobretudo musical, porque foi "solicitado por inúmeras comissões de festas, organizou saraus recreativos em muitíssimas localidades do distrito de Vila Real, em colégios, em escolas primárias, criou e dirigiu vários orfeões" disse Mons. Salvador Parente. Escreveu marchas (hinos) para todos os concelhos do distrito, para Angola, Moçambique. Muitas das suas composições foram editadas em discos. "Vivia para a música, mas da música não vivia", era uma frase muitas vezes ditas por ele, referiu o orador. Foi plagiado por muito lado, sem que daí recebesse qualquer compensação, que nunca reclamou, diga-se. Ainda assim, recebeu alguns prémios pela sua produção poética e musical. "Só analisando as suas variadíssimas obras tanto esotéricas como exotéricas e, por isso, revelando confidências suas, podemos avaliar a grandeza deste padre trasmontano... um eterno insatisfeito, disse Mons. Salvador Parente.